quinta-feira, 20 de maio de 2010

Cadê?

E aí cara, cadê?
Cadê a crença de que hoje é melhor que ontem e amanhã melhor que hoje?
Cadê o ímpeto da evolução do corpo, da revolução da mente e da isenção da alma?
Cadê o brilho nos olhos pelas gentilezas gratuitas?
Cadê a certeza de que as incertezas fazem do mundo um lugar mais interessante?
Cadê o tesão pelo novo e a redenção pelo velho?
Cadê a ironia como instrumento da diversão?
Cadê a palavra como instrumento das suas verdades?
Cadê o arrepio pela música do “caralho”, pelo filme “de foder”?
Cadê os devaneios tolos em nome dos sonhos concretizados?
Cadê a inocência lapidada e a maturidade ainda bruta?
Cadê o sorriso sem máscaras?
Cadê o suspiro sem fôlego?
Cadê a lágrima solta?
Cadê o sangue oxigenado?
Milton, cadê você?

Um comentário:

Vanessa disse...

Seu post caiu como uma luva amigo, não sei onde tudo isso foi parar. Esse fim de semana decidi olhar todas as minhas fotos e sinceramente até agora não sei se fiquei feliz ou me fez pensar mais ainda o que ultimamente não tem sido tão boa idéia assim. Definitivamente estou precisando de ajuda, mas calma que já estou providenciando. Bjo e te amo!!!